Recolha De Lixo A Pedido

A casa nova é uma casa usada e por isso, uma espécie de Kinder Surpresa sempre que se abre uma porta, uma gaveta ou se olha para qualquer coisa mais alta. Foram muitas e muitas coisas que ficaram para trás pelos proprietários anteriores e se algumas até agradecemos, outras tínhamos preferido se as tivessem levado. Enchemos muitos caixotes com lixo mas sobraram-nos algumas coisas que eram demasiado grandes e que não se devem colocar no lixo orgânico.

Sabia que existia um serviço de recolha de lixo a pedido pela Câmara de Lisboa exatamente para estas situações. Pesquisei e encontrei o site. O que eu não sabia é que este serviço funciona lindamente e melhor, é gratuito. Basta ligar para o número indicado, explicarmos que tipo de lixo nos queremos livrar e o pedido fica agendado. No meu caso, umas horas mais tarde, tinha uma pessoa a ligar-me para agendar a recolha. Ficou acordado para ontem à noite. Deixei tudo na rua, à porta de casa e voilá, hoje de manhã não havia vestígios de nada! Mais simples e eficaz é impossível.


Mais informações aqui.

O Outro Lado De Uma Casa Usada

A casa nova é na realidade uma casa usada com muitos anos em cima. Ao longo dos seus mais de cinquenta anos já sofreu muitas alterações e melhorias. Quando a fomos ver pela primeira vez, a casa estava decorada (muito bem até) e arrumada. Uma casa assim mostra todo o seu potencial e mesmo vendo um ou outro defeito aqui e ali, não houve dúvidas que era uma excelente casa. E assim se fez o negócio.

Ontem foi o primeiro dia que entrámos em casa sem recheio. Os proprietários simpaticamente nos disponibilizaram a casa antes da escritura, porque sabiam que havia duas divisões que queríamos pintar. E lá fomos. E foi muito assustador. De repente, aquela casa bonita era um vazio cheio de pequenos defeitos. É impressionante como a decoração nos molda o olhar e sem ela nos focamos em tudo, do teto ao rodapé e a lista de coisas a arranjar rapidamente cresce. Depressa percebemos que as não eram só duas divisões que íamos pintar, tinham de ser TODAS. Tudo tem mazelas, tudo tem buraquinhos, tudo precisa de um jeitinho. Infelizmente, não há tempo, já que a mudança é daqui a três dias e ainda tenho coisas por empacotar na casa atual. Mas conseguimos arranjar um pintor que vai deixar as duas divisões prontinhas a tempo, logo a sala e o quarto que é onde se tem mais móveis e decoração.

Entretanto, vai-se limpando alguma coisa e continua o horror. A quantidade de lixo e gordura nos armários da cozinha é um escândalo. Que haja pó e até uma migalha ou outra, é normal, também os meus têm agora que estão vazios. Mas gordura? Gordura em todo o lado? E ferrugem? Acho sinceramente, que é demasiado desmazelo. Claro que nada disso bate a barata morta dentro do exaustor! Como é que isto acontece? Não faço puto de ideia. Mas está ali uma pessoa a limpar uma coisa já por si má e salta de lá o raio de uma barata, que mesmo morta, mete nojo.

Também houve um episódio "giro" na casa de banho que era usada pelas crianças. Assim um cheirinho a xixi bem concentrado vindo ralo da banheira. Rapidamente se alastrou à casa de banho toda e tivemos que fugir dali e só voltar a entrar munidos de detergentes poderosos.

É portanto uma aventura que pelos vistos, vai durar muitooooooo até ser terminada.


Fiz Um Botox

Um botox capilar, calma lá! Que eu não encho o meu corpinho com essas coisas, cheio está ele, devia dar era para sugar o que está a mais, mas isso é outra história. Bom, vi uma promoção e como já tinha ouvido falar de botox capilar, decidi experimentar. A senhora do cabeleireiro disse que me ia engrossar o cabelo e isso é coisa para me fazer logo dizer sim, já que o coitado está cada vez mais fininho. Depois andei a ler um bocadinho pela internet fora e "botox" é só mesmo o nome, não se injeta nada para o cabelo, simplesmente, usam-se produtos que vão aumentar a fibra de cada cabelo, espessando-o. Como é natural nestas coisas, uns dizem que funciona, outros que não, uns que dura eternidades, outros que sai à primeira lavagem, há de tudo. Eu decidi arriscar, já que mal não faz (nesta parte, parece que a internet está de acordo).

Bom, foi uma hora e meia de produtos, secagens, lavagens, uma panóplia de coisas, incluindo uma massagem, que me fez estremecer  literalmente o fundo da coluna. Abençoadas mãos. Entre a aplicação de produtos houve uma secagem com uma prancha a vapor e o cheiro daquilo só me fazia lembrar o ferro de engomar e eu estava a ver que ficava sem cabelo. A verdade, é que no final, o meu cabelo estava brilhante, sedoso e voilá, espesso. Modéstia à parte, estava lindo.

No dia a seguir não pude lavar o cabelo (o que me deixou logo nervosa) mas aguentou-se o que é raro. Já não senti espesso nenhum, mas achei normal. Mas nas lavagens seguintes também não senti, por isso, ou é impressão minha, ou o efeito não durou nem um dia. MAS... há um efeito espetacular e que para mim é mesmo importante. Parou a queda de cabelo. Mas assim, de um dia para o outro. Não sei se é suposto ou não, mas estou muito satisfeita com isso. Vou ver quanto tempo dura porque se durar bastante, sou menina para voltar a fazer o tratamento. Para quem tem cabelo muito fininho, todo o cabelo que se perde é caminho para se começar a ver o couro cabeludo. E nenhuma mulher gosta disso.

Gostava de me lembrar da marca dos produtos, quanto mais não seja, para pesquisar, mas lembro-me de ter visto e não ter reconhecido. Logo, não fixei. Só sei que começa por "A". Acho...
 
 

Mudar De Casa - Empacotar A Tralha

Daqui a exatamente duas semanas, estou a morar na casa nova. Falta pouquinho e se pensarmos em fins de semana, que é quando se tem mais tempo para tratar da mudança, falta mesmo pouco. Ao longo do último mês (ou mais, já nem sei) andei a angariar caixas de cartão para conseguir arranjar o máximo possível até à data da mudança. Caixas e malas de viagem. Chateei a família toda, amigos e colegas de trabalho e até achei que tinha uma boa coleção, já que mal se conseguia entrar na arrecadação. Mas este fim de semana comecei a empacotar coisas e apercebi-me que estou longe de ter as caixas todas que preciso. Já usei imensas e a casa parece que está tal e qual como se nada estivesse a acontecer. Tenho como objetivo empacotar coisas todos os dias da semana e dar-lhe forte neste fim de semana que vem. Porque no último vai ser tirar aquelas coisas chatas, tipo cortinados e candeeiros e arrumar os essenciais que se usam diariamente e ficam até à última.

Para além das caixas, arranjei também post-its de várias cores para identificar em que zona da casa a caixa e a mobília deve ficar, sendo que cada divisão tem uma cor. Tenho a certeza que vai ser útil para os senhores das mudanças e para mim, já que vai ficar tudo logo na divisão certa. Depois é só limpar e arrumar.

É a primeira vez que mudo "verdadeiramente" de casa. A primeira mal conta, foi passar da casa dos meus pais para uma casa arrendada, totalmente mobilada. Pouca coisa e sem prazos (ainda hoje há coisas em casa dos meus pais). A segunda foi passar dessa casa para casa do namorado. Muito mais coisas, mas nada de pesos pesados e com prazo alargado (dois meses de aviso à senhoria). Agora a coisa é muito diferente. É mesmo mudar uma casa inteira habitada por duas pessoas num único dia. É ver. E rezar um bocadinho para que não apareçam imprevistos.

 

Mudar De Banco

Até há umas horas atrás, eu era cliente da CGD há mais de 30 anos. Os meus pais criaram-me uma conta quando nasci, foram lá colocando umas poupanças, mais tarde, era eu que pedia para depositar dinheiro que me davam nos anos e um dia, quando comecei a trabalhar, foi a conta do meu ordenado. Até há umas horas atrás, tinha duas contas, uma para o dia a dia, outra para poupança. Não me considero um cliente VIP, mas sempre tive algum dinheiro e nunca andei com saldos de 10€, como infelizmente, muito boa gente tem de gerir. Sempre me considerei um cliente fácil, não me queixava, tinha lá o meu dinheiro e geria como me apetecia.

Mas, com o processo da compra da nova casa, passei a ter uma conta noutro banco. Conta essa que terá de ser "alimentada" com transferências regulares. Ora, eu sei que a CGD cobra as transferências bancárias feitas online e por isso, decidi falar com a minha gerente de conta para saber que solução podíamos arranjar para eu poder agendar transferências bancárias sem ter de pagar 50 cêntimos até ao resto da minha vida. E qual foi a abertura da CGD? Nenhuma. Mandaram-me fazer as transferências no MB. Ainda cheguei a ir pessoalmente a uma agência expor a situação e a resposta foi igual. Melhor, mandaram-me falar com a gerente de conta. E efetivamente, eu fui falar. E disse-lhe que se não havia abertura nenhuma para arranjar uma solução, eu ia cancelar tudo e mudar-me para o outro banco. Resposta: então vai. Ora bem dito, bem feito. Mexi-me para tratar de criar tudo noutro banco. Se dá trabalho? Dá. Mas estava piurça da vida e isso motiva logo uma pessoa. Então estes gajos preferem perder um cliente a não lhe cobrar 50 cêntimos por mês? 

Mas pronto, lá criei tudo, tive de esperar pela chegada dos cartões novos, fazer umas quantas transferências para lá ter dinheiro mas finalmente, tudo pronto a usar. Hoje fui à CGD cancelar as minhas contas. Estive meia hora, sem exagero, a preencher e a assinar papeis. A fila atrás de mim bufava.

E aqui há mais um detalhe giro que eu até sabia, mas não consigo entender. Ora então, se o cancelamento for feito na agência onde a conta foi criada, é tudo na hora, uma pessoa sai de lá sem qualquer ligação à CGD. Mas se for feito noutra agência, guess what? Leva UM MÊS! Alguém me explique porque é que usando o mesmo sistema informático e sendo o pedido de cancelamento feito pela mesma pessoa, que já agora, é a proprietária das contas, porque raio é que isto leva um mês? Mas melhor, eu tenho que lá ir pessoalmente para terminar o processo, senão.... o processo expira e tenho de fazer tudo de novo! Não é lindo?

Eu acho que os bancos usam estas merdas para as pessoas desistirem de fechar contas e irem para outro lado. Porque isto ocupa tempo, deslocações e atrasos no emprego. E admita-se, ninguém gosta de ter trabalho. Mas pronto, no meu caso tá feito e não estou nada arrependida.

By the way, há uns dias atrás, a minha ex-gerente de conta mandou-me um email a dizer que a CGD ia ter umas contas novas e que incluía transferências gratuitas. Deu-me vontade de rir. 


Ilha Da Boavista

Finalmente, o post das férias! Porquê este atraso gigante? Porque estou uma preguiçosa de todo o tamanho. Já vim de férias há mais de um mês e só agora é que tirei as fotos da máquina. Shame on me... Nem sei se ainda me lembro alguma coisa da Boavista, mas vamos a isto.

Após quatro horas de voo, avista-se terra e a primeira impressão que temos é: porra, isto parece um deserto! No aeroporto confirma-se, é que é mesmo um deserto! É árido, o vento quente, há pó e terra por todo o lado e a vegetação essa, é seca e rasteira. Paisagem que contraste com o azul lindo do mar.

O hotel escolhido foi o Iberostar Boavista por ser mais pequeno que os gigantes Riu's e por aconselhamento da agência, com a melhor linha de praia. E devo dizer que é uma linha muitooooo grande mesmo. São quilómetros de areia para um lado e outro.

O hotel parece um oásis no meio de um deserto, com tanta vegetação e cor. Nem imagino a conta da água para alimentar aquilo tudo. As habitações têm no máximo dois pisos e a construção de pedra e em tons laranjas, torna-o bastante acolhedor. A ajudar estão os trezentos e cinquenta e seis gatos que lá habitam. Não houve dia que não andasse a dar festas nos bichos. E a alimentá-los, que na hora das refeições juntavam-se todos por baixo das mesas a pedinchar. E quem diz por baixo, também diz por cima, seja das cadeiras, da mesa ou mesmo ao colo. Um paraíso para mim, portanto. Por falar em comida, este hotel tem dos buffets mais variados onde estive (para este tipo de resort), com especial destaque para as muitas saladas frias e peixe grelhado.

A praia é uma gigante maravilha. Pena mesmo só o mar bravio. Pelo que soubemos mais tarde no aeroporto, enquanto nos vasculhavam a mala e se riam por termos trazido a pedra mais feia alguma vez vista, o mar é sempre agitado, mas acredito que tenha dias melhores. Nadar era impossível e mergulhar só mesmo à velhote: baixar as pernas e já tá. E mesmo assim, houve dias que só me atrevi a lá por os pés. Mas os passeios na praia são maravilhosos. E excelentes para apanhar escaldões. O facto de estar sempre vento, faz com que se esteja sempre bem ao sol e depois dá asneira. Posso dizer que houve muito escaldão nos pés e nos ombros.

Quanto a passeios, não houve assim nada que nos estimulasse muito, acho que a ilha tem mesmo muito pouco para oferecer. Acabámos por optar por algo que nunca tínhamos feito: passeio de catamaran para avistar baleias. Foram três horas de passeio e zero avistamentos! Fiquei um bocado desiludida, confesso. Por muito que se saiba que estas coisas podem mesmo ser assim, vamos sempre com uma pontada de esperança que o animal nos apareço à frente do nariz. Mas pronto, foi um passeio muito simpático, sem enjoos e ainda vi três peixes voadores!

Vamos a fotos!

Primeiro passeio de praia. No dia a seguir, era sentir as dores!








Para além de gatos, também havia muita cabrita na enseada do hotel.


A Miami Beach de Cabo Verde!

Segundo passeio para o lado oposto, onde há dunas gigantes e a sensação de deserto é mesmo muito real.



Passeio no catamaran. Há falta de baleias, venham os banhos de sol.


Já quase me esquecia dos corvos. Também havia uma boa mão cheia deles.

Mojito de final de dia.
 

Gordura Até Aos Olhos!

Mal sabia eu que quando dizia "Estou gorda até aos olhos" estava mesmo a dizer a verdade! Então não é que tenho bolas de gordura nos olhos? Fui hoje a uma consulta de oftalmologia, porque ando à rasca dos olhos e descubro isto. Chama-se Pinguécula Ocular e não é nada mais, nada menos, que pontinhos de gordura causados pelo sol e pelo olho seco. Não é nada de grave e só se torna chato se crescerem muito ao ponto de se verem a olho nu, mas é esquisito. Não basta já toda a gordura que anda para aqui espalhada e ainda me aparece nos olhos. E ordens da doutora: usar óculos de sol sempre! Eu que acho as pessoas que andam de óculos de sol na praia umas picuinhas, agora também tenho de andar... 

Outra descoberta, é que tenho cicatrizes (mínimas) causadas, mais uma vez, pelo olho seco. Isto de trabalhar em ambientes fechados, só com AC e passar dias inteiros a olhar para um ecrã, não faz mesmo bem à saúdinha de uma pessoa. Agora é ver se a lágrima artificial ajuda, senão, ainda tenho de pedir uma reforma antecipada!